Como atingir um objetivo de longuíssimo prazo de acordo com a minha avó

170103
No nosso escritório os objetivos são sempre muito diversos. De pessoas obesas buscando mais saúde aos amigos trabalhadores querendo uma aposentadoria precoce, não faltam objetivos de longuíssimo prazo. Objetivos que dificilmente serão alcançados ao longo de 12 semanas de selfhunting ou coaching. E ai? Como faz? Então para deixar essa pergunta mais cabeluda, te desafio a encontrar as respostas nessa histórinha da vida real que é de longe uma das minhas favoritas.

Muita gente que me conhece já escutou essa história (algumas dezenas de vezes). Mas a acho tão bonita que faço questão de contá-la de novo. Até mesmo para seguir lembrando os aprendizados que ela me trouxe.

Quando eu era pequena (desde quando nasci até os meus 10 anos) passava os meus dias com a minha querida vovó Amelia no sítio. Entre as nossas muitas atividades, uma sempre foi de importância vital: plantar pinheirinhos ao longo da estrada que ligava a porteira até a casa.

O processo permeava o nosso dia inteiro. Durante as andanças eu ia recolhendo mini-mudinhas de pinheiros pelo caminho e guardando todas em uma sacolinha de mercado, dessas de plástico mesmo. Admito que nem sempre era a minha parte favorita das nossas aventuras. Mas minha avó sempre soube fazer disso um jogo. Muitas vezes colocava todos os netos para competirem: ‘quem trouxer mais pinheirinhos vai ganhar um presente’ – o presente costumava ser alguma coisa divertida. Outras vezes colocava todo mundo para trabalhar junto: ‘se vocês conseguirem juntar x mudas nós vamos até a venda comprar sorvete’. Em alguns momentos, era apenas eu e a minha avó; nem parecia que estávamos ‘trabalhando’, só andávamos pelo sítio conversando e quando ‘aparecia’ uma mudinha eu achava graça que tínhamos muita sorte de achar tantas mudinhas pelo caminho.

A parte mais legal da aventura era sempre no dia seguinte. Bem cedinho, antes de todos acordarem, subíamos para a porteira e vínhamos descendo e plantando cada uma das mudinhas ao longo do caminho. Cavar o buraco, encher de terra, apertar a terra sem exagerar, regar um pouquinho. Repetir. Repetir. Repetir.

Muitas dessas mudinhas não vingavam. Com as chuvas ou as secas, umas tantas morriam. Ainda assim, era necessário plantar sempre, para quando chegasse a chuva forte, assim ela não desmancharia os barrancos que margeavam a estradinha. Ou isso era o que a minha vó dizia; mas ela também dizia que plantávamos para o caminho ficar mais bonito, dizia que um dia aqueles raminhos de pinheiro seriam árvores grandes. Até hoje a regra continua a mesma, à esquerda de quem desce, ficam os pinheiros, à direita ficam as mangueiras.
Já faz mais de 20 anos que eu não planto pinheiros. Porém, foi há algum tempo, todos estes anos depois, que eu fui ver o que acontece quando você passa muitas manhãs plantando árvores pela estradinha com a sua vó: esses da foto são os nosso pinheirinhos, as nossas mudinhas que na época mediam não mais do que 10 ou 15 centímetros e hoje são árvores enormes. Foi com essa imagem e essa história na cabeça que eu e a minha vó e os meus pais fomos embora da nossa última visita ao estimado Sítio Bela Vista.

Foi lindo! Foi emocionante! Foi tudo o que a minha vó prometeu que seria quando eu tinha 4 anos. Foi uma lição com muitas lições embutidas.
Para você que não teve paciência de ler toda história:
1. Acredite na sua avó, ela provavelmente está certa. Este ítem é provavelmente o mais importante desta lista.

  1. Transforme a parte difícil de um longo e árduo trabalho em uma brincadeira séria. Será mais leve e fácil continuar quando você estiver cansado – e você ficará cansado em algum momento.
    3. Além do resultado final em si, tenha pequenas recompensas ao longo do caminho. Elas te ajudam a manter a linha e o entusiasmo.
    4. Tenha um time que torça por você, mesmo sem entender direito o que você faz. Ainda que eles não sejam os melhores na lida, eles te darão apoio e garantirão alguma diversão ao longo da jornada.
    5. Tenha paciência. Muita paciência. Não há nada que você possa fazer para uma árvore enorme crescer de imediato. Também não há nada que você possa fazer em relação a um montão de objetivos, além de trabalhar e acreditar.
    6. Acredite. Se você não acreditar no seu objetivo, você não conseguirá concluí-lo.
    7. Converse com a sua avó. Ela te ensinará mais do que todas as aulas que você irá na sua vida toda.

    P.S.: Você não tem uma avó? Eu te empresto a minha! Ela adora fazer novos amigos. Caso não seja o suficiente, chame uma selfhunetr para te ajudar. Pode mandar um email para helpme@theselfhunters.com ou nos contatar no Facebook ou via Instagram.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

Up ↑

%d bloggers like this: